Governo imprime 500 mil folders para evitar a AIDS entre gays e travestis

aids.jpg

Ministério da Saúde preparou 100 mil cartazes e 500 mil folders sobre a Aids.
Plano também prevê agendas afirmativas para grupos.

O Ministério da Saúde lançou nesta terça-feira (25) o Plano Nacional de Enfrentamento da Epidemia de Aids e das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) entre Gays, HSH (Homens que fazem Sexo com Homens, mas que não se assumem como homossexuais) e Travestis.

O principal objetivo da iniciativa é combater os casos de Aids, principalmente entre jovens de 13 a 19 anos de idade, faixa etária na qual se observa uma relevante tendência de crescimento de pessoas infectadas, segundo o ministério.

Elaborado em parceria com o Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass), o Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems) e representantes da sociedade civil, o plano prevê uma série de ações para combater a Aids e a homofobia.

A população de gays e HSHs, entre 15 e 49 anos, foi estimada em 1,5 milhão de pessoas. Segundo o ministério da Saúde, a incidência de Aids nesse segmento é 11 vezes maior que a da população em geral.

O Ministério da Saúde preparou 100 mil cartazes e 500 mil folders com informações sobre a prevenção contra a Aids. Esse material será distribuído para organizações da sociedade civil e lugares freqüentados pelo público gay, como bares, boates e festas.

Agendas afirmativas

Também foram estabelecidas agendas afirmativas para gays, HSHs e travestis, que prevêem, entre outras coisas, a promoção de políticas e ações para o enfrentamento das DSTs, o fornecimento de metodologias de prevenção e a garantia dos direitos humanos para gays, HSHs e travestis infectados.

‘Homofobia institucionalizada’

O presidente da ABGLT enfatizou a importância de se combater a homofobia no país. “É preciso combater o preconceito para combater a Aids. Ainda vemos casos de homofobia institucionalizada, em que secretarias de saúde de alguns estados ainda têm preconceitos na adoção de medidas de prevenção para gays”, criticou ele, que não quis mencionar quais seriam esses estados.
O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, destacou a importância do ativismo e da participação dos movimentos gays na construção de políticas públicas. “Ainda temos desafios que precisam ser superados. A queda do nível de casos entre HSHs ficou abaixo do esperado”, comentou.

Toni Reis, presidente da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), elogiou a iniciativa do governo. “Era tudo o que queríamos, um plano contra a Aids voltado para os gays. Precisamos de políticas públicas voltadas para a nossa comunidade”, disse.

Fonte: G1


Veja mais:
Ministra Marta e marido argentino dão “carteirada” e se recusam a passar por revista em aeroporto
Conheça as FARC, a nova causa de Hugo Chávez, o amigo do nosso presidente
O Brasil a caminho da segregação racial.
o

3 Responses to Governo imprime 500 mil folders para evitar a AIDS entre gays e travestis

  1. AIDS entre gays disse:

    Desculpe a sinceridade, mas o que esta escrito acima é simplesmente RIDÍCULO.
    O quew eles dizem, ou querem dizer é que somente os homossexuais é quem transmitem o virus da AIDS.
    A incidencia do numero de pessoas gays infectadas e infimamente inferior aos chamados de “HETEROS”.
    A incidencia maior, esta concentrada nos “normais”, onde se pratica o sexo convencional, homem x mulher.
    A verdade, é que a campanha deveria atingir a toda a população, e ainda mais, principalmente as pessoas da “melhor idade”, onde o indice de infectados aumenta em forma acelerada.
    Nós, os gays, na sua grande maioria, sabemos da importancia da prevenção. A falta de campanhas entre as outras comunidades, estas sim precisam ser feitas com mais veêmencia, pois é ali que o foco esta mais aceso.
    Espero ter sido claro. O importante é a prevenção entre TODOS e não focar somente nós, os homossexuais.
    Francisco Kalinowski

  2. Ivens disse:

    Nossa, muito legal mesmo essa iniciativa, que ao contrario do que algumas pessoas podem pensar, nao esta querendo dizer que so homossexuais transmitem o vírus, mas que eles estao mais vulneraveis, mas nao sendo os unicos vuneraveis, mas existem algumas categorias que estao mais vulneraveis que outras por isso precisa de mais atenção e cuidados, o que é muito bom, depois de tantas lutas do movimento GLBT,. Outra iniciativa que vai junto a essa é o site http://www.qualsuaatitude.com.br que usa da internet para combater a Aids, muito legal, vale a pena conhecer.

  3. edmaria disse:

    so acho q a distribuição de camisinha é restrita, as campanhas são moralistas, e a educação sexual nas escolas é muito fraca.

    Agora , quanto aos homosexuais, acredito a falta de parceiros e a restrição de necontra-los permite q a contaminação seja maior , mas tbem concordo q a campanha deve ser para todos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: