Pais que ensinam próprios filhos não serão presos, diz juiz

Os irmãos mineiros David, 15 anos, e Jonatas, 14 anos, que saíram da escola tradicional há dois anos e são educados em casa pelos pais foram ‘aprovados’ na maratona de quatro dias de provas determinadas pela Justiça de Timóteo, em Minas Gerais, para avaliar se tinham conhecimento compatível com estudantes da idade deles. Ainda assim, o futuro dos meninos continua indefinido – já que a educação em casa não é permitida pela legislação brasileira.

A nota mais baixa que Jonatas alcançou foi 37 – em história e teve a nota mais alta em português, com 81 pontos. David teve a nota mais baixa em ciências – fez 46 pontos – e a mais alta em geografia – 86 pontos. Como as disciplinas abaixo de 60 são pontuais dentro de todas as exigidas, a média final dos irmão superou os 60 pontos, que era a média mínima exigida pela Secretaria Estadual de Educação de Minas Gerais.

Os pais dos meninos, Bernadeth e Cleber Andrade Nunes, estão sendo processados nas áreas cível (por descumprimento do Estatuto da Criança e do Adolescente) e criminal (pelo crime de abandono intelectual). Eles foram condenados em primeira instância na área cível a rematricular os adolescentes na escola e pagar uma multa – e podem até perder a guarda dos filhos. A família recorreu. Agora falta a manifestação do juiz criminal – que vai determinar se houve ou não o abandono intelectual.

Resultado excelente
Para Cleber, o resultado das provas é “excelente”, pois, na opinião dele, mostra definitivamente que não existe o crime de abandono intelectual dos filhos. “Sem freqüentar a escola, eles tiraram notas altas em matérias que eles receberam o conteúdo programático apenas uma semana antes dos exames. Tenho esperança de que o juiz se manifeste favorável a nós, já que os meninos superaram as médias estipuladas”, disse.

Secretaria diz que resultado é “razoável”
Elisabeth Anareli Pereira, professora e diretora da Superintendência Regional de Ensino da região de Coronel Fabriciano (que engloba a cidade mineira de Timóteo), diz que o resultado que os meninos atingiram nas provas é “razoável e está totalmente dentro da normalidade dos alunos de escolas públicas”.

Para Elisabeth, mesmo com as notas acima da média, os irmãos deveriam freqüentar a escola tradicional. “Para um pai que acha que a escola pública regular não é boa, ele deveria entender que a escola regular é boa sim, já que as notas obtidas pelos meninos foram compatíveis com as notas que os nossos alunos tirariam na mesma prova”, afirma. Questionada sobre algumas questões da prova de educação artística, que pediam para dissertar sobre Picasso e fazer críticas sobre peças teatrais, Elisabeth disse que a prova foi elaborada de acordo com o currículo do ensino fundamental. “Não peguei todas as provas para avaliar porque havia uma banca de professores para isso. Mas as aulas de artes se modernizaram. Na minha época de colégio, a gente aprendia a bordar”, afirma.

Elisabeth diz que a prova não foi difícil para alunos dessa idade. “A gente avaliou o conteúdo que eles teriam que saber. O que eu posso dizer é que eles estão aptos a cursar o 1º ano do ensino médio (o mais velho) e a 9ª série do ensino fundamental (antiga 8ª série, para o menino mais novo)”. Para isso, eles seriam “reclassificados”, afinal, abandonaram a escola quando cursavam a 6ª e a 5ª séries do ensino fundamental, respectivamente.

As provas e os resultados já foram encaminhados para avaliação da Justiça. Na opinião da diretora da superintendência de ensino, o pai deveria rematricular os filhos na escola para cumprir as Lei de Diretrizes e Bases (LDB) e o ECA, “Se ele acha a escola ruim, ele deveria complementar o ensino no contra-turno dos meninos. O que ele não pode é infringir as leis”.

Juiz do caso descarta prisão dos pais
Em entrevista ao G1, o juiz Eduardo Augusto Guastini, titular do Juizado Especial Criminal e responsável pelo caso dos irmãos Nunes disse que o processo ainda não tem decisão final porque duas testemunhas precisam ser ouvidas, mas descartou a possibilidade de prisão dos pais dos adolescentes – pois são réus primários e, por enquanto, não há comprovação de abandono intelectual.

“O caso deles é bem diferente e mais complexo. Já peguei casos de abandono intelectual, mas eram casos de pais que simplesmente tiravam os filhos da escola. Não tinham o objetivo de educá-los em casa”, disse o juiz. A pena para o crime de abandono intelectual varia de 15 dias a um mês de prisão ou multa, que pode ser revertida em prestação de serviços para a comunidade. “Mas a prisão você pode esquecer, eles não vão para a prisão”, afirmou Guastini.

De acordo com Guastini, as testemunhas de defesa são de outros estados e, por isso, serão ouvidas por carta precatória – procedimento que pode demorar algum tempo. Depois disso, os pais serão ouvidos e o processo seguirá para as alegações finais do Ministério Público – autor da ação e responsável pelo pedido de condenação ou não dos pais. A defesa também terá um prazo para se manifestar e só então o processo volta para o juiz que dará sua decisão.

As provas foram elaboradas por uma comissão de 16 professores das secretarias municipal e estadual de Educação. Cada disciplina teve 20 questões – 15 de múltipla escolha e cinco discursivas – e foram aplicadas de 18 a 21 de agosto.
Fonte: G1

Clique aqui e receba as atualizações do In Blog por e-mail

rss_3

O In Blog envia até 3 e-mails com suas atualizações por semana, clique aqui, coloque seu e-mail e passe a receber nosso newsletter.

Blogs Amigos
PULSO Internet de qualidade
NAMONEURA Desabafos de uma namorada normal. Anormal são vocês!
PERGUNTE AO URSO Tudo aquilo que você não sabia para quem perguntar
CLUBE DO LAR Pensou em casa, já está nele
TUCANOJOVEM Juventude do PSDB – Capital SP

3 Responses to Pais que ensinam próprios filhos não serão presos, diz juiz

  1. Eduardo disse:

    Se o governo fosse competente em ensinar este pai não precisaria ter feito o que fez. Mas sugiro que eles entrem com uma ação contra o governo, obrigando que aplique o mesmo teste aos alunos das escolas públicas e caso o resultado não seja satisfatório que prendam o responsável pelas escolas. O que vemos é um esbirro de um estado totalitário.

  2. Eddie disse:

    Queria ver algum filho da puta de juiz, de conselheiro tutelar ou do caralho a quatro vir me dizer o que eu posso ou não fazer com meus filhos!!

  3. Carolina disse:

    Tirou as palavras da minha boca, Eddie. Vou ensinar meus filhos em casa e quero ver algum juiz, conselheiro tutelar ou lá quem seja ter a petulãncia de dizer que estou errada!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: