E se… o 11 de Setembro não tivesse ocorrido?

A primeira dúvida é quem seria o presidente dos EUA hoje. Antes do 11/9, George W. Bush era um governante apagado, rejeitado por quase 40% do eleitorado. Depois dos atentados, foi promovido a estadista com aprovação de até 90%. Não é à toa que para muitos analistas Bush jamais se reelegeria sem ter a bandeira da luta contra o terror. E, nesse caso, o atual presidente tampouco seria John Kerry, derrotado por Bush em 2004 – veterano do Vietnã, ele só foi para a disputa porque o clima bélico do país exigia candidatos com experiência militar.

Se os EUA não estivessem em guerra, os democratas teriam outro candidato. E Al Gore seria o favorito. Afinal de contas, ele havia recebido mais votos que Bush nas eleições de 2000 e só não levara a Presidência por causa do complicado sistema eleitoral americano.

Como seria a gestão Gore? Ambientalista das antigas, seu governo poderia ser marcado pela entrada dos EUA no Protocolo de Kyoto. Seria uma mudança significativa para o planeta – os americanos emitem 25% dos gases que provocam o efeito estufa. “Gore provocaria um efeito em cadeia. Teríamos mais empresas ecológicas, mais políticos preocupados com o verde”, diz o jornalista Sérgio Abranches, especialista em questões ambientais. Para Abranches, até o Brasil sofreria conseqüências. “Seríamos pressionados a zerar as queimadas na Amazônia, que representam 80% das nossas emissões”, diz.

Mas é bobeira acreditar que Bush entregaria a Presidência de bandeja. Sem o terrorismo, ele buscaria outras questões capazes de mobilizar a opinião pública. Em especial, os eleitores do interior, conservadores e religiosos, que sempre o apoiaram. “A Presidência focaria toda a atenção em eleitores famintos por ações firmes contra o aborto, a pesquisa com células-tronco e os direitos gays”, escreveu o analista político Frank Rich na edição da revista New York dedicada a discutir como seria o mundo hoje sem os atentados de 2001. Se você se assustou com a onda conservadora que varreu a América sob Bush, pense que sem 11/9 talvez ela fosse mais forte ainda. Pior: com um presidente eleito especialmente para cuidar que as coisas ficassem assim.

Deus na escola
George Bush torce o nariz para quem diz que o homem evoluiu do macaco. Opinião, aliás, compartilhada por 55% dos americanos. Como 65% do eleitorado, o presidente gostaria de ver as escolas da América ensinando o “design inteligente”, nome chique para a velha teoria bíblica de que foi Deus quem criou o homem. Com tamanha capacidade de mobilizar o público, é bem possível que o ensino do criacionismo perfilasse como carro-chefe de um governo “cristão”.

Inimigo público
Que fundamentalismo islâmico que nada. Antes dos ataques, dizem analistas, eram os chineses que se encaminhavam para vestir a fantasia de inimigo número 1 da América. “A administração Bush tinha a crença de que China e EUA estavam destinados a uma guerra fria”, escreveu Thomas Friedman, colunista do New York Times. Poucos no governo acreditavam que os dois países seriam capazes de dividir a hegemonia mundial em harmonia.

Direito do feto
Bush patrocina campanhas pró-abstinência sexual, apoiou restrições aos métodos abortivos e foi simpático ao estado de Dakota do Sul, que tenta proibir o aborto inclusive em casos de estupro. Mas a legislação nos EUA continua liberal – com maior ou menor dificuldade, toda americana consegue interromper uma gravidez. Lutar por uma nova lei, propondo uma emenda à Constituição, por exemplo, seria essencial para um Bush comprometido com os religiosos.

Instinto selvagem
Muitos acreditam que Bush inventaria uma guerra. “Se não contra o Iraque, contra o Irã; se não o Irã, o Hezbollah. Enquanto ele estiver no poder, existirão guerras”, diz o professor Riordan Roett, da Universidade Johns Hopkins. Mas não há dúvida de que sem os atentados seria muito, mas muito mais difícil fazer a opinião pública apoiar uma guerra. E, sem o conflito, teria sido poupada a vida de cerca de 42 mil civis iraquianos – algo como 14 WTCs.

Choque previsto
Se o 11/9 não acontecesse em 11/9, ele viria em outra data – e hoje se chamaria 26/8 ou 16/12. O confronto entre fundamentalismo e Ocidente parecia inevitável. “O Afeganistão continuaria dominado pelo Talibã e a Al Qaeda estaria tranqüilamente abrigada lá. Clérigos continuariam a fomentar o ódio contra o Ocidente. Milionários sauditas continuariam financiando militantes. E continuariam existindo jihadistas planejando um ataque contra os EUA. A história seria atrasada, mas não negada”, afirmou Fareed Zakaria, editor da revista Newsweek.
Fonte: Superinteressante

Clique aqui e receba as atualizações do In Blog por e-mail

rss_3

O In Blog envia até 3 e-mails com suas atualizações por semana, clique aqui, coloque seu e-mail e passe a receber nosso newsletter.

Assuntos Relacionados:
Tudo o que você sabe sobre traição está errado! Conheça aqui as verdades e os mitos
Estrelas de filme pornô contam seus sonhos e frustrações
Por que ele não me procura mais?

2 Responses to E se… o 11 de Setembro não tivesse ocorrido?

  1. Bruno Souza disse:

    Por ser um país belicista e altamente capitalista, a desgraça de milhares de inocentes, virou a satisfação desse medíocre Bush, de galgar um lugar de destaque na história dos EUA, inclusive pela destruição do Iraque e do Afganistão.
    Mas, incrivelmente, esses simpatizantes das armas de destruição, não conseguiram, até hoje, prender o arqui-inimigo Bin Laden.
    Já pensou, Bush, qual Julio César, desfilando pelas avenidas de Washinton, em uma biga ,com Bin Laden preso à uma coleira ?? Seria a consagração do império. Ave Bush “”””

  2. Amanda Pereira Sampaio disse:

    Poxa, se nao tivesse ocorrido, nao teria a banda My Chemical Romance….
    e eu nao sei como eu seria hoje em dia senao tivesse essa banda
    XD
    eu os amo!!!!!!!!
    XD

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: